5 perguntas sobre a tecnologia BIM

A tecnologia BIM é uma forma de agrupar todas as informações de um projeto em um modelo digital. Veja 5 perguntas respondidas sobre ela!

A indústria da construção é responsável por 10% do PIB mundial. Ainda assim, é de surpreender que seja um dos segmentos que mais sofre com improdutividade. Para resolver esse problema, o setor está passando por mudanças e uma delas é a chegada da tecnologia BIM.

BIM vem do inglês Building Information Modeling, que significa Modelagem da Informação da Construção, e é exatamente o que o nome diz: um método de modelagem 3D para agrupar todos os dados importantes de um projeto.

A tecnologia BIM pode trazer muitos benefícios, e para te ajudar a entender quais são eles, abaixo respondemos as 5 principais perguntas sobre como o BIM funciona na prática. Acompanhe conosco!

1. O que é a tecnologia BIM?

A tecnologia BIM é um processo para criar e gerenciar informações sobre um projeto de construção em todo o ciclo de vida dele. Ela envolve criar uma descrição digital (modelo) de todos os aspectos do ativo construído.

Projeto 3D tecnologia BIM
Tecnologia BIM revolucionando construção civil

 

Esse modelo baseia-se em informações montadas de forma colaborativa e atualizadas nas principais etapas de um projeto por todos os envolvidos, tais como arquitetos, engenheiros, supervisores de obra e assim por diante.

De uma forma mais prática, o Building Information Modeling pode ser descrito como o modo como todos os envolvidos em um projeto podem entender as atividades e etapas dele, por meio do uso de modelos digitais em três dimensões.

Como resultado, a tecnologia BIM permite que aqueles que interagem com a construção otimizem suas ações, resultando em mais produtividade e um maior valor de toda a vida útil do ativo.

2. O que são objetos BIM?

A tecnologia BIM é composta pelos chamados objetos BIM. Cada objeto representa uma parte única de um projeto (produto) e é composto de uma combinação de coisas:

  • dados e informações que definem o produto;
  • propriedades gerais do produto;
  • representação visual em 3D das características físicas do produto;
  • projeção do comportamento do produto quando finalizado.

Os objetos BIM são criados a partir de uma natureza paramétrica, ou seja, com um conjunto de regras que o objeto cumpre caso algum ponto seja modificado durante sua execução.

Por exemplo, se o tamanho de uma porta no edifício for alterado, o objeto do quadro da porta deve ser criado para que seja alterado automaticamente em resposta a isso.

3. Quais os benefícios da tecnologia BIM?

O principal benefício do BIM é que ele pode salvar muito tempo em um projeto. Como? Aumentando a produtividade.

Basicamente, a tecnologia BIM reúne em um só lugar todas as informações para execução de um projeto, levando todos os componentes de um edifício para um único local.

Tecnologia BIM, todos os recursos acessíveis
Tecnologia BIM compila todas as informações de um projeto de construção.

 

Ter tudo facilmente acessível em um único destino torna possível para qualquer pessoa na obra obter dados sobre as atividades a qualquer momento e de qualquer lugar.

Erros e atrasos podem ser facilmente identificados e corrigidos, em todos os estágios de desenvolvimento, e os dados do BIM podem até mesmo ser usados ​​para ver todo o ciclo de vida de um edifício, desde o projeto até sua possível demolição.

4. Quais são as dimensões do BIM?

A tecnologia BIM possui vários subconjuntos para agrupar todos os aspectos de um projeto. Esses subconjuntos são descritos em termos de dimensões, da seguinte forma

  • 3D: modelo de objeto;
  • 4D: tempo;
  • 5D: custo;
  • 6D: operação;
  • 7D: sustentabilidade;
  • 8D: segurança.

O modelo 4D liga as atividades de construção aos cronogramas e imagens 3D que resultam em uma simulação gráfica em tempo real do progresso da construção. Já a funcionalidade 5D pode integrar custo às informações de design e tempo.

Tecnologia BIM: arquitetura e design 3D
Tecnologia BIM permite a visualização dos projetos em 3D.

 

O modelo 6D permite que o gerenciamento de instalações seja adicionado ao BIM e o 7D incorpora componentes de sustentabilidade para permitir que os profissionais atendam às metas e obrigações ambientais. Por último, o modelo 8D incorpora aspectos de segurança no projeto e no processo de construção.

Essas são só mais usadas, já que um número quase infinito de dimensões pode ser adicionado ao modelo de construção. Essa capacidade multidimensional do BIM foi definida como modelagem “nD”.

5. Qual é o futuro do BIM?

O futuro da indústria da construção é digital e o BIM é a forma como ela alcançará esse objetivo. Ele é conduzido por tecnologia e processos claros; e está implementando mudanças em todos os aspectos de um projeto.

Como os aplicativos de hardware, software e nuvem anunciam uma maior capacidade de lidar com quantidades crescentes de dados e informações brutos, o uso do BIM se tornará ainda mais pronunciado do que nos projetos atuais.

E sua empresa, já começou a pesquisar ou integrar a tecnologia BIM em suas operações? Como você acredita que será usado no futuro? Compartilhe seus pensamentos conosco nos comentários abaixo ou em nossas páginas nas redes sociais!

9 Construções Incríveis Construídas em Tempo Recorde

Veja como a pré-fabricação possibilita a execução de obras faraônicas em um piscar de olhos – e como VOCÊ pode aproveitar isso na sua obra.

Quando pensamos em construir, já nos vêm à cabeça a ideia de prazos longuíssimos e gastos imensuráveis e muita dor de cabeça com fornecedores e prestadores de serviço.

Mas não precisa ser assim.

O uso de pré-fabricados diminui consideravelmente os gastos de tempo e dinheiro e novas tecnologias para pré-fabricação elevam essa economia a níveis que chegam a ser difíceis de se acreditar.

Preparamos para vocês uma lista trazendo 9 construções que vão te deixar boquiaberto com a velocidade em que foram erguidas. De residenciais compactos até imponentes arranha-céus com dezenas de andares, veja como alguns dos edifícios mais modernos do mundo estão sendo erguidos em questão de semanas, ou até mesmo dias.

BSB – Broad Sustainable Building

Não tem como iniciar essa lista sem falar da Broad Sustainable Building, ou BSB, construtora chinesa especializada em pré-fabricados para edifíciosFundada em 2009, a empresa subsidiada pelo Broad Group chamou a atenção do mundo ao erguer enormes prédios em prazos até então impossíveis.

Vamos começar citando algumas de suas obras mais surpreendentes.

Ark Hotel – 15 andares/48 horas

Descrito pelos seus criadores como o “primeiro edifício da história a combinar praticamente todos os elementos de conforto, ecologia e segurança”, o Ark Hotel é um edifício de 15 andares que foi erguido em apenas 48 horas.

Não, você não entendeu errado. São 15 andares em apenas DOIS DIAS. Impossível? Veja com seus próprios olhos…

A estrutura do hotel inclui 3 níveis de purificação de ar, que garantem um ar interno até 20 vezes mais limpo do que o ar externo (talvez isso não seja relevante para você que vive no Brasil, mas lá na China garanto que é algo incrível) e é resistente contra terremotos.

Para coroar a sustentabilidade do projeto, menos de 1% dos materiais utilizados deixaram resíduos, uma proporção impressionante comparado com a porcentagem habitual de resíduos gerados na construção civil, que no Brasil, por exemplo, chega a assombrosos 33%.

T30 Hotel – 30 andares/15 dias

China

T30 Hotel, China
T30 Hotel, China

 

Construído a partir de blocos pré-fabricados de aço e vidro, o T30 começou a ser planejado em seguida do Ark Hotel, ainda em 2011 e também apresenta uma série de requisitos ecológicos e de segurança.

O hotel de 328 metros² foi construído em admiráveis 360 horas e foi cinco vezes mais econômico do que as construções tradicionais de mesmo porte. Entre os diferenciais sustentáveis estão persianas que, quando fechadas, se transformam em painéis solares, diminuindo o consumo de energia elétrica.

J57 Mini Sky City – 57 andares/19 dias

China

J57 Mini Sky City, China
J57 Mini Sky City, China

 

Provavelmente o empreendimento mais surpreendente da BSB, o Mini Sky City é um arranha-céu de 208 metros de altura construído em 2015. Com uma média de 3 andares erguidos por dia, o prédio conta com 800 apartamentos e áreas comerciais para até quatro mil pessoas.

Foram usados 2.736 módulos pré-fabricados e a construção garante os mesmos padrões de segurança e sustentabilidade da BSB, que incluem a resistência contra terremotos de até 9 graus na escala Richter.

Mas não é só na China que edifícios estão sendo erguidos em tempo recorde e a BSB não é a única do mercado a realizar tais feitos. Os próximos exemplos vêm de diversos locais do planeta.

One9 – 9 andares/5 dias

Austrália

One9, Austrália
One9, Austrália

 

Todos os exemplos que demos até agora são de prédios construídos com elementos estruturais pré-fabricados. Mas o One9 foi além, o edifício é formado a partir de módulos de apartamentos pré-fabricados. O edifício foi desenvolvido pelo arquiteto Nonda Katsalidis através da sua tecnologia patenteada, o UB System.

Basicamente, todo o apartamento é desenvolvido na fábrica, sobrando para o canteiro de obras apenas o encaixe dos vários apartamentos.

Instacon – 10 andares/48 horas

Índia

Instacon, Índia
Instacon, Índia

 

Iniciado às 16:30 da quinta-feira do dia 29 de novembro de 2012 e concluído às 16:30 de sábado, o Instacon é um edifício comercial de 10 andares, erguido pela empresa Synergy Thrislington, na cidade indiana de Mohali.

Foram usados módulos pré-fabricados preparados na fábrica da construtora, esses módulos levaram cerca de 40 dias para serem fabricados. A montagem contou com uma equipe com mais de 200 profissionais. Segundo o engenheiro responsável por projetar a construção, a estrutura pode se manter intacta por até 600 anos.

Habitat for Humanity – Casa/3 horas

EUA

Habitat for Humanity, EUA
Habitat for Humanity, EUA

 

A mais antiga construção da lista é a casa que serve de sede para a Habitat for Humanity, em Montevallo, no Alabama. No dia 17 de dezembro de 2002, uma equipe de voluntários liderada pela Associação de Empreiteiros do Alabama ergueu a casa em incríveis 3 horas, 26 minutos e 34 segundos.

A sede, construída através de elementos pré-montados, bateu o recorde que até então era de 3 horas, 44 minutos e 59 segundos e se manteve como a casa com construção mais rápida do mundo até 2005.

2 Hour House Project – Casa/2 horas

EUA

2 Hour House Project, EUA
2 Hour House Project, EUA

 

Em 2005, o Habitat for Humanity foi bateu seu próprio recorde em um evento sediado em Tyler, no Texas, quando voluntários de várias profissões ergueram uma casa em 2 horas, 52 minutos e 29 segundos.

O projeto se transformou em um documentário e a 2 Hour House Project doou 30 mil dólares para a East Texas Community.

M.A.Di. – Casa/5 horas

Itália

M.A.Di., Itália
M.A.Di., Itália

 

A empresa italiana Modulo Abitativo Dispiegabile inovou ao apresentar uma casa com design bonito e um interior aconchegante e moderno, custando apenas 33 mil dólares e um tempo de construção de menos de 6 horas. A estrutura dispensa base de concreto, sendo necessário apenas uma superfície plana.

O material de alta qualidade é resistente contra abalos sísmicos. A empresa ainda oferece uma variedade de tamanhos e estruturas, que vão desde uma versão mais compacta, com 17 metros quadrados por 33 mil dólares, até a versão 84 metros quadrados que sai por 73 mil dólares.

Bônus:

Dubai Future Foundation – 250 m²/17 dias

Emirados Árabes

O escritório da Dubai Future Foundation, inaugurado a poucos meses entra na nossa lista não necessariamente pela velocidade da sua construção, mas pela técnica usada. Apesar de os 17 dias não surpreenderem, se comparado a outros exemplos da lista, o prédio impressiona por ser o primeiro escritório do mundo feito com impressão 3D.

Dubai Future Foundation, Emirados Árabes. Escritório "impresso" em impressora 3D
Dubai Future Foundation, Emirados Árabes. Escritório “impresso” em impressora 3D

 

A tecnologia apresenta avanços significativos, tanto na economia de custos quanto de tempo, podendo cortar até 80% dos gastos e entregar em um prazo até 70% mais curto. A construção contou com uma impressora de 6 metros de altura, 12 metros de largura e 36 metros de comprimento.

Lembrando que essa não é a primeira vez que um prédio é construído dessa forma. A China já conseguiu “imprimir” um edifício de 6 andares em 2015, no entanto, ele serve apenas como projeto conceito, não sendo utilizado como moradia.

Primeiro prédio "impresso" em impressora 3D, na China
Primeiro prédio “impresso” em impressora 3D, na China

Sendo assim, ficou para o escritório dos Emirados Árabes o posto de primeiro prédio 3D a ser utilizado.

Concluindo…

Como acabamos de ver, as edificações do futuro já estão sendo erguidas e num prazo cada vez mais difícil de se acreditar.

Com o tempo, as construções convencionais, in loco, serão gradativamente substituídas. Afinal, pré-fabricar os elementos em linha de produção para então montá-las dentro do canteiro de obras, se mostra uma opção mais segura, econômica e – indiscutivelmente – rápida.

A História do Pré-Fabricado no Brasil

As primeiras obras e o desenvolvimento do pré-fabricado em território brasileiro.

Como vimos anteriormente, no artigo sobre A História do Pré-Fabricado no Mundo, aquilo que conhecemos pelo conceito moderno de pré-fabricado surgiu em paralelo às duas Revoluções Industriais.

Mas, e no Brasil? Como se deu a implantação e popularização do pré-fabricado em nosso país? Este artigo trará algumas informações pontuais a respeito da trajetória do pré-fabricado em território brasileiro.

Primeiros Passos

Ao contrário do que aconteceu com a Europa nas duas Guerras Mundiais, o Brasil não sofreu grandes devastações e por isso não necessitou de uma grande reconstrução em larga escala.

Autódromo da Gávea
Autódromo da Gávea

A primeira grande obra brasileira a usar elementos pré-fabricados foi o Hipódromo da Gávea, no Rio de Janeiro, em 1926, que utilizou a técnica no desenvolvimento das estacas das fundações e nas cercas do perímetro reservado ao hipódromo.

Industrialização da Construção Civil

A preocupação real e sistemática em relação a industrialização da construção surge, segundo a Associação Brasileira da Construção  Industrializada (ABCI), a partir do início da década de 60.

Isso aconteceu, principalmente, pelo aumento exponencial da população urbana, no final da década anterior. Esse crescimento, fora do esperado, trouxe ao país um problema de déficit habitacional, que acabou resultando na criação do Banco Nacional da Habitação (BNH), em 1966, responsável por dar impulso ao setor da construção civil, que na época detinha 5% do PIB, segundo fontes do IBGE.

Operários em momento de descanso, meados do século XX
Operários em momento de descanso, meados do século XX

De início, o BNH desestimulou o uso de pré-fabricados no setor da habitação, pois tinha a intenção de incentivar a mão-de-obra não qualificada no canteiro de obra. Nesse período, a industrialização da construção civil ficou a cargo de empresários que vislumbraram o grande potencial dos pré-fabricados no futuro.

Novos Estímulos…

Apenas a partir da segunda metade dos anos 70, que o BNH reestruturou suas diretrizes para o setor da construção civil, passando então a estimular, ainda que timidamente, a introdução de novas tecnologias, entre elas as de pré-fabricação. Entre esses estímulos, se destaca o patrocínio de pesquisas de desenvolvimento de processos construtivos e a implementação de canteiros experimentais.

Pré-Fabricados no Brasil, meados do século XX
Pré-Fabricados no Brasil, meados do século XX

Alguns exemplos de edifícios construídos através desses canteiros experimentais são Narandiba, em 1978 na Bahia; Carapicuíba VII, em 1980 e Jardim São Paulo, em 1981, esses últimos no estado paulista.

…e Novos Problemas

No entanto, algumas dessas construções apresentaram, com o tempo, problemas patológicos e funcionais, trazendo altos custos de manutenção e alguns chegando ao extremo de necessitarem ser demolidos.

Após um estudo detalhado, advindo de denúncias de precariedade por parte da Companhia de Habitação do estado de São Paulo (COHAB-SP), no ano de 1983, o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) concluiu a inviabilidade da restauração dos prédios e recomendou sua demolição.

Entre as causas apuradas pelo IPT estavam: o uso de material inadequado na confecção dos painéis, deficiência na execução das peças estruturais do edifício e a corrosão generalizada das armaduras dos elementos estruturais. Esses fatos foram responsáveis pela quase extinção dos pré-fabricados no Brasil, que voltariam a ser utilizados com maior frequência apenas na década seguinte.

O Retorno

No início da década de 90, o desenvolvimento acelerado da cidade de São Paulo, que passou a receber grandes investimentos, o que demandou uma vasta construção flats, hotéis e shopping centers.

Essas construções, além de demandarem grande velocidade de execução, exigiam um alto padrão em acabamento e requinte. Esses elementos e exigência, somados ao alto investimento, estimularam a importação das tendências arquitetônicas de pré-fabricação que repercutiam na Europa nesse período. O alto padrão e a qualidade estética do produto final, resultaram num retorno da ascensão do pré-fabricado no Brasil.

Desde então, foi crescendo a tendência do uso de diferentes materiais pré-fabricados em uma única obra, o que possibilita uma vasta diversidade de escolhas para o arquiteto e um melhor aproveitamento estrutural, que se beneficia da combinação desses elementos no conjunto da construção.

O Brasil tem uma recente, mas fértil, experiência com o pré-fabricado. Ainda há muito o que pesquisar e muito mais para inovar. E essa é a missão do Pré-Fabricando, espalhar para toda a população todo o conhecimento a respeito do pré-fabricado no Brasil e no mundo.

A História do Pré-Fabricado no Mundo

A origem e a trajetória do pré-fabricado no mundo.

O que vem a sua cabeça quando você pensa em pré-fabricado? Casas sendo montadas em semanas? Grandes placas de concreto em linhas de produção? Nenhuma dessas imagens mentais está incorreta, mas o pré-fabricado, desde a sua origem, abrange muito mais do que aquilo que conhecemos hoje.

No artigo de hoje, vamos falar um pouco sobre a história do pré-fabricado, das primeiras técnicas de pré-construção de habitação aos pré-fabricados advindos da industrialização. Vamos também observar algumas novas tecnologias, responsáveis por uma nova fase de sofisticação no setor de pré-fabricados.

Primórdios

Para entendermos a origem da arquitetura móvel, devemos ir aos primórdios da humanidade. Os primeiros grupos sociais humanas, anteriores ao início da agricultura, eram nômades. Logo, suas moradias eram construídas de forma que fossem rapidamente montadas e desmontadas, já não sabiam quanto tempo o local seria propício para sua vivência.

Primeiras habitações nômades
Primeiras habitações nômades

 

 

 

No decorrer da história das civilizações humanas, várias foram as construções arquitetônicas que se utilizaram de elementos pré-construídos, como é o exemplo do imponente Parthenon, erguido no auge da cultura grega clássica.

Parthenon, na Grécia
Parthenon, na Grécia

Várias outras construções utilizaram-se do mesmo princípio, em especial no início do século XIX. E foi justamente neste mesmo século, que aconteceram as  revoluções responsáveis pelo conceito moderno de pré-fabricação.

Revoluções Industriais

O processo desenvolvimento daquilo que chamamos de pré-fabricado se deu em paralelos às duas primeira revoluções industriais, através da evolução do maquinário industrial.

"Tempos Modernos" um clássico que aborda as revoluções industriais.
“Tempos Modernos” um clássico que aborda as revoluções industriais.

 

Com o advento de máquinas capazes de reproduzir séries de ciclos cada vez mais complexos, os pré-fabricados foram ficando cada vez mais sofisticados, o que aumentou exponencialmente a porcentagem de elementos constitutivos de uma grande obra que poderiam ser pré-concebidos em fábrica.

Mas a maior explosão de popularização do pré-fabricado como um recurso da construção civil moderna se dá na Europa e é resultado de uma das maiores tragédias da humanidade.

Guerras Mundiais

Com o fim da Segunda Guerra Mundial, a Europa encontrava-se em ruínas. O continente inteiro precisava de um projeto rápido de reconstrução. Acontece então a primeira onda de industrialização da construção civil. Grandes cidades precisavam ser reerguidas em larga escala: escolas, hospitais, prédios públicos, residenciais.

Destroços da II Guerra Mundial
Destroços da II Guerra Mundial

 

Porém, os pré-fabricadas desse período eram produzidos de maneira negligente dada a ausência de avaliações prévias e controles de qualidade e também advinham de um único fornecedor, o que ficou conhecido como ciclo fechado de produção.

Os resultados dessa primeira experiência foram uma rigidez e uniformidade arquitetônica, que resultou em paisagens cinzas e monótonas e uma série de demolições em massa, que criou um intenso sentimento de rejeição aos pré-fabricados por parte da população – e uma profunda revisão nos conceitos de utilização da técnica nas construções

Cai o ciclo fechado, entra em cena o ciclo aberto

A partir dos anos 80, o pré-fabricado volta a ascender na construção civil europeia. Porém, agora os elementos não advém mais de um único fornecedor: com o ciclo aberto, várias empresas se especializam em determinados elementos, que se unem no canteiro de obras.

Mas com essa ascensão do ciclo aberto, nasce uma nova discussão: compatibilidade. Afinal, se várias empresas vão fornecer elementos para uma mesma obra, esses elementos precisam se encaixar uns nos outros. A solução foi a padronização dos pré-fabricados para construção civil.

Novas tecnologias

Com as recentes revoluções tecnológicas, a indústria passa a entender que não só os componentes pré-fabricados devem ser produzidos em um ciclo aberto, mas todo o processo de construção deve se adequar às diversas tipologias arquitetônicas.

Nasce então o chamado ciclo flexibilizado unindo características do ciclo fechado com do ciclo aberto, a produção pode então ir além da fábrica, trazendo a possibilidade de produção de componentes dentro do canteiro com alto grau de controle e organização.

Tecnologia BIM
Tecnologia BIM

 

Desde então, as tecnologias de pré-fabricados evoluem em velocidades cada vez maiores, tornando o pré-fabricado uma opção comprovadamente mais econômica, segura, sustentável e rápida. Com os processos mais sofisticados de BIM, por exemplo, a previsibilidade de fatores como tempo, custo e segurança chegam a um nível que beira o 100%.

Esse foi um pequeno apanhado histórico da popularização do pré-fabricado na construção civil mundial, nas próximas publicações, traremos um pouco da história do pré-fabricado no Brasil, que também vem ganhando cada vez mais destaque e vem se mostrando um grande protagonista na retomada do crescimento da indústria de construção civil brasileira.